terça-feira, fevereiro 26, 2019

Clarice Lispector por Hélène Cixous









Hélène Cixous: A arte de Clarice Lispector



Nascida em 1937 na cidade de Oran, Argélia, Hélène Cixous descobriu a França em 1955, dada a expulsão de seus pais da Argélia, devido à perseguição antissemita. Nesse ano, afirma ter adotado uma nacionalidade imaginária que é, aliás, a de vários outros escritores – a nacionalidade literária. Anglicista e especialista em Joyce, Hélène Cixous foi amiga de Jacques Lacan (1901-1981), assim como de Jacques Derrida (1930-2004). Teve participação decisiva na formação da Universidade de Vincennes, onde criou o Departamento de Estudos Femininos – que foi o primeiro da Europa –, e é considerada uma das mães da teoria feminista pós-estruturalista. Sua obra literária é considerável: poesia, romance, teatro, ensaio. Com o ensaio L’heure de Clarice Lispector(“A hora de Clarice Lispector”), divulgou a obra da escritora brasileira na França e, em 1989, recebeu do Brasil a Ordem do Cruzeiro do Sul por sua contribuição à difusão da nossa literatura.
Embora publicada pela editora Gallimard em 1950, Clarice Lispector permaneceu desconhecida na França até 1976. Hoje é muito lida. Foi redescoberta, por um lado, graças à Editions des Femmes, que readquiriu os direitos de publicação da obra, e, por outro, graças ao trabalho apaixonado de análise e divulgação feito por Hélène Cixous, autora do primeiro ensaio de fôlego publicado no exterior sobre a nossa escritora.
Para saber um pouco mais sobre Lispector, fui ouvir Hélène Cixous, que me deu uma entrevista no seu apartamento de Paris.

Betty Milan: Foi necessário muito tempo para que a maior escritora brasileira fosse descoberta na França. Na sua opinião, a que isso se deve?
Hélène Cixous: Acredito que ela tenha sido vítima de um recalque causado por fatores tradicionais na França, que não é muito receptiva aos textos estrangeiros. Ademais, acho que a obra de Lispector é monumental, de uma profundidade e de uma importância inusitadas, e o estado da literatura francesa é tal que o leitor médio, o da mídia, do jornalismo, é pouco capaz de segui-la. Ela escreve textos que têm uma mensagem cujo teor é quase filosófico e isto não é aceito na França, atualmente. Passamos por uma regressão extraordinária no mundo da literatura. Havia ainda, logo após a guerra, textos dessa qualidade intelectual. Agora, não há mais.

BM: Será que você poderia dizer o que torna Clarice Lispector tão difícil? O fato de ser um pensamento metafísico, o estilo, o quê?
CIXOUS: Tudo, eu acho. A começar pelo fato de ser uma mulher, de ter o handicap, a desvantagem que nós conhecemos. Em seguida, eu diria que é o fato de escrever um texto inteiramente marcado pelo que poderíamos chamar de “feminilidade libidinal”; é uma intensidade que a torna difícil para a maioria dos leitores, que são classicamente misóginos. Penso sobretudo em textos como Água viva, modelo de inscrição de uma feminilidade libidinal no nível formal. É um texto que não começa, que não termina, constituído de inúmeros começos;é uma enorme corrente de água, uma água viva, um texto que não tem limite, moldura, que pede uma leitura diferente. Uma leitura que seja uma aventura, como o próprio texto, em que é necessário mergulhar. Trata-se de um movimento que as pessoas não têm o hábito de fazer. Isso no nível formal. Mas no nível do conteúdo é a mesma coisa, aquilo de que Clarice fala é absolutamente subversivo em relação à mentalidade média, ela sempre se interessa, por exemplo, pelo que há de menor, de mínimo. O maior, para ela, é o menor, o mais extraordinário; o sobrenatural é o natural etc. Enfim, ela inverte permanentemente os valores e explicita o seu projeto no momento em que o realiza. Assim, se opõe completamente ao sistema de valores clássicos. A ordem, a organização à qual todo mundo se refere não existe. Se quisermos ler a história de alguém, não a encontramos. Aliás, ela sempre diz que não escreve histórias, e sim fatos simplesmente.

BM: É problemático falar de economia libidinal da feminilidade. Há quem diga que não existe uma escrita feminina. Seria possível explicar o que é a economia libidinal da feminilidade?
CIXOUS: Não me refiro a uma oposição masculino-feminino, que reenviaria a homem e mulher. Mas, por razões de época, mantenho com aspas adjetivos como “masculino” e “feminino” para caracterizar as economias libidinais que podemos fazer surgir, observar e que são diferentes. Vemos essas economias manifestarem modos de ser, quer na vida cotidiana, quer nas produções discursivas em geral.
BM: Como situar a diferença no texto?
CIXOUS: Nem sempre é claro. Mas, se tomarmos, por exemplo, a questão dos gêneros na literatura, há uma economia libidinal literária que produz o gênero do romance, quer dizer, algo construído, organizado, apropriado, delimitado e que obedece a certas regras, tem um começo, um meio e um fim. Eu diria que são caixinhas e que a economia masculina se compraz em enquadrar, reter, ordenar um espaço. Em contrapartida, encontramos, numa outra economia, textos que não são caixinhas, que estão fora da moldura, não são passíveis de ser enquadrados, estão sempre em aberto, e, contrariamente àquilo que se deixa enquadrar, existem num movimento, numa continuidade. Ocorre que são sobretudo as mulheres que produzem esse tipo de texto, ao mesmo tempo jubilatório e angustiante, como tudo o que recomeça incessantemente.

BM: Como a fruição feminina?
CIXOUS: Exatamente. E é verdade que isso cria um problema, tanto para aqueles que escrevem como para aqueles que leem. A continuidade coloca o problema da sua interrupção. São problemas vitais e inteiramente literários, técnicos, são problemas de que Clarice Lispector trata com uma acuidade inacreditável. Quando há uma continuidade, quando há um fluxo e uma potência vital que o sustenta, como em Água viva,então, não vemos por que parar de repente. O que faz parar é uma perda de fôlego num determinado momento ou uma preocupação com o outro, e daí o texto para. O admirável é que ela para arbitrariamente. Não para porque construiu um modelo arquitetado, que seria geométrico ou matemático, equilibrado como as dissertações que nos ensinaram a fazer. O texto segue o ritmo do corpo. Bem, agora eu paro, diz ela. Diz e faz. Eu paro, eu recupero o fôlego, tomo uma xícara de chá e recomeço. É algo que está o mais perto possível do corpo, que o mima, quando a literatura em princípio recalca o corpo.
BM: Onde situaria Joyce nisso tudo? Sei que estamos aqui para falar de Clarice Lispector, mas, como Joyce a interessou tanto, gostaria de saber onde o situaria.
CIXOUS: Ele me interessou na medida em que ousou tomar certas liberdades com a língua. Porém, o tipo de mensagem que ele faz passar não me agrada. Num certo nível, ele é totalmente reacionário. É um homem clássico, o lugar da mulher na obra dele é bem pouco invejável. Verdade que ele analisou as estruturas familiares de modo admirável, mas, no fundo, só fez isso. Questionou e reproduziu ao infinito o drama familiar de uma maneira engraçada, magnífica mesmo, só que nada descobriu de novo. Foi no nível da língua que ele desenvolveu seu trabalho – aliás, no limite da língua. Joyce ousou aplicar descobertas que já existiam e que diziam respeito ao significante, à sua riqueza, à sua polissemia etc., como, por exemplo, as descobertas de Mallarmé. Não ignorava as tradições europeias de trabalho com o significante, que ademais existiam na Inglaterra renascentista. Shakespeare trabalhava com o significante. Mas antes de Joyce ninguém havia feito desse trabalho a regra geral do texto. Ele generalizou o trabalho de “tormento do significante”. Os efeitos disso são fabulosos, é importante para quem escreve.

BM: O tormento de Clarice é de outra ordem…
CIXOUS: Não tortura o significante, pelo contrário. Posso me enganar, porque o meu conhecimento do português é insuficiente, mas me parece que ela trabalha a frase, o parágrafo, tem uma relação com a pesquisa formal, a sintaxe, a elipse etc. etc. Não é diretamente no nível da palavra que ela opera. O que ela faz, e é isso que é absolutamente admirável, é filosofia poética ou poesia filosófica. Enfim, algo que eu nunca vi em outro lugar. E só há uma pessoa no mundo que produziu textos tão densos, foi Kafka. Só que ele inscreveu tudo no nível da alegoria, ele alegoriza o real para chegar a produzir efeitos de sentido, faz dele uma fábula. Para Lispector, o real é, em si mesmo, portador do sentido mais fino. Só os filósofos fizeram o que Clarice faz, mas sem a liberdade que ela, como poeta, tem. Às vezes eu me dizia que ela parecia Heidegger. Há, por exemplo, um trabalho sobre “a coisa” que tem a força, a potência, a precisão do discurso filosófico heideggeriano. Ela ousa casar, ousa celebrar o casamento da escrita mais leve, quase oral, com o pensamento mais profundo. E é absolutamente excepcional.
BM: Escrita oral?
CIXOUS: Sim, porque tenho a sensação de que ela tem uma maneira direta de escrever que tem a ver com o relato. E ela recupera na escrita, o que é muito raro, muito feminino, a economia oral. No limite, poder-se-ia dizer que, para chegar a escrever como se fala, é preciso levar a escrita ao ápice. Mas eu digo isso porque um dia vi na televisão um filme sobre a Bahia e havia gente do povo que tinha uma fala de uma grande beleza e eu me disse que, no fundo, Clarice Lispector tinha fontes locais extraordinárias. Eram mulheres que, na fala mais simples, tocavam no coração da vida… É épico, é a epopeia popular contemporânea, coisa que nós não temos na Europa. Por tudo isso, é impossível ler Clarice Lispector rapidamente. Ela pede um verdadeiro trabalho de leitura e as pessoas em geral não leem assim, sobretudo quando se trata de literatura. Se se tratar de filosofia ou de textos psicanalíticos, dizem a si mesmos que é preciso prestar atenção, refletir. Porém, quando leem literatura, não se detêm. E com Clarice Lispector é preciso não ter pressa.

BM: Como foi que a descobriu?
CIXOUS: A Editions des Femmes quis fazer o público redescobrir Clarice Lispector. Ela havia sido publicada na França, mas sem eco algum. Chegou mesmo a desaparecer, e a Gallimard, que detinha os direitos, não mostrava nenhuma intenção de continuar a publicação de livros considerados sem interesse para a sua política comercial. Um dia, Antoinette Fouque, da Editions des Femmes, me falou do projeto de comprar os direitos autorais da Gallimard. Depois, Regina de Oliveira Machado, que se tornou tradutora de Clarice Lispector, me mostrou algumas páginas de Lispector em que ela estava trabalhando. Posteriormente, li numa antologia de textos de mulheres brasileiras publicada pela Editions des Femmes um pequeno fragmento de Água viva e fiquei abismada, achei aquilo sublime. Não acreditei no milagre e me disse que não ia acreditar, sem mais nem menos, que existia uma obra com a qualidade daquelas páginas. Depois, saiu A paixão segundo GH, pela Editions des Femmes, e foi decisivo. Admiti que era para mim o maior escritor contemporâneo. Para uma mulher que escreve, Clarice Lispector é uma iniciadora, abriu um território que eu sequer imaginava adentrar um dia. Para trabalhar sobre a feminilidade e a escrita, eu sempre me valia de textos de homens nos quais a feminilidade aparecia.
BM: Quais?
CIXOUS: Textos de todos os tipos e sempre em edições bilíngues. Kleist, os românticos alemães em geral. Trabalhava muito com Rilke, com a poesia, textos ingleses, Shakespeare… Enfim, eu estava sempre retrabalhando textos de homens, o que politicamente não era prático. Era incômodo não encontrar exemplos de economia aventureira em textos de mulheres, e eu andava um pouco triste. Clarice me salvou e me deu um universo.
BM: Você acha que o interesse por ela na França é devido a uma leitura reveladora?
CIXOUS: Acredito que contribuí para isso. Desde 1978, trabalho ininterruptamente com os textos de Clarice, falo deles em todo lugar… Há dezenas de teses que se fazem no Canadá depois que fui fazer conferências sobre Clarice, que simplesmente não existia lá. É a mesma coisa nos Estados Unidos e na França. Não para mais. É incrível! O texto de Clarice responde a uma necessidade e, por outro lado, também era preciso que houvesse um mediador.

BM: É frequentemente assim?
CIXOUS: Talvez. Eu diria que é a questão do amor e da transferência. Se começo a dizer com toda a minha força que amo o que ela faz, isso produz efeitos desse tipo. Penso numa cadeia transferencial – e que é maciçamente feminina. São as mulheres que a leem; os homens, menos. Fiz os homens que eu conhecia lerem Lispector. Eles são bem menos abertos do que a maioria das mulheres. Isso é curioso, porque eu não considero que Clarice se enderece especificamente às mulheres.
BM: Você poderia falar dos problemas de tradução que o texto da Clarice traz?
CIXOUS: Inicialmente, compreendi a língua de Clarice a partir do latim, quando o francês está muito longe do latim. Há um trabalho da subjetividade inteiramente diferente, porque o sujeito pode estar implícito no verbo, o que não acontece no francês. Há mil elementos da língua portuguesa no Brasil que favorecem o projeto filosófico de Clarice Lispector. Na tradução, somos obrigados a acrescentar o sujeito, porque o francês não tolera uma frase em que o sujeito esteja ausente. A força do português do Brasil me fascina. Quando penso que no francês não temos gerúndio! É uma verdadeira loucura. Temos que encompridar as frases por causa disso. Clarice sabia o que o português do Brasil permite, como eu sei o que o francês interdita, porque tenho origem linguística diferente. Na minha infância, falava alemão e depois, inglês. O trabalho que Clarice fez é um trabalho total, uma obra em que não falta nada. Há mesmo elementos romanescos, embora os livros dela não sejam propriamente romances. Há todos os gêneros, mas o gênero não é um fim em si, é antes um resquício de uma forma antiga.
BM: Um resquício de uma forma antiga?
CIXOUS: Sim. Se tomarmos A maçã no escuro, podemos acreditar que se trata de um romance. Aparentemente, é um romance. No limite, poderíamos dizer que é um romance à maneira americana, de Faulkner, por exemplo. E não é isso. Em A maçã no escuro, o elemento romanesco é apenas um dos elementos do texto. Cada página é, em si mesma, uma espécie de meditação filosófica.

In:    www.bettymilan.com.br

domingo, fevereiro 17, 2019

DO GOZO FEMININO





O êxtase de Santa Tereza D'Avila



FRAGMENTO NÃOTODO

Sérgio de Campos

No que tange ao gozo feminino, é possível afirmar que nele há algo de extravio, por não seguir a lógica fálica. Esse extravio é resultado de um gozo nãotodo que se revela para ambos, homem e mulher, como opaco, difuso e enigmático. Apesar de a mulher senti-lo, pouco ou nada pode esclarecer sobre ele. Não há nada nele de transmissível ou compartilhável.

Esse gozo está relacionado exclusivamente ao amor. Porém, por ser sem limites e difuso, não tem necessariamente conexão com o ato sexual, já que está contido de maneira variada nas diversas modalidades de gozo na mulher.

Com uma mulher, o homem se prepara para cantar o amor ou a guerra. Com efeito, a guerra que a mulher evoca não é fruto da inveja do pênis ou do desejo insatisfeito, mas o fato de ser a hora da verdade do homem. Portanto, como suporte dessa verdade, ele prefere enfrentar qualquer inimigo a uma mulher. Os mais prudentes aconselham que não se deve brigar com gente que usa saias: padre, juiz e mulher. Se o poder dos dois primeiros é oriundo das insígnias fálicas, o da mulher emana do gozo nãotodo. Esse gozo louco, escandaloso, sem referências simbólicas que possam capturá-lo ou circunscrevê-lo, é algo que amedronta os homens e se torna, para alguns precavidos, sinal do desejo advertido ou do desejo impedido na neurose obsessiva. Las mujeres alteradas nas vinhetas de Maitena, cartunista argentina, são uma tentativa de ilustrar o desvario do gozo feminino e o consequente temor que afeta os homens.

Ademais, levada sua análise a termo, diante dos impasses com o feminino o sujeito desvenda que o novo amor não é um novo objeto de amor, mas, sim, uma nova maneira de amar, que inclui o enigma do impossível de se compreender uma mulher como mote do desejo, pois a mulher é como a lua: hoje, clara; amanhã, escura. Com efeito, o enigma se torna a condição de desejo, objeto a, de “minha mulher” como “fulana”. Essa descoberta articula o amor e o desejo que, a partir de então, são denominados de amoresejo, a Liebe do sujeito — Liebe, palavra alemã que recobre ao mesmo tempo o desejo e o amor. Antes, o sujeito tinha a “minha mulher” como posse desinteressante e a Outra mulher “fulana” como busca fugidia. Agora, o sujeito consente que la donna è móbile qual piúma al vento, muta d’accento e de pensiero.

No amor se inventa, e essa é a condição exigida como suplência da não relação sexual. Conciliar o desejo, o amor e a pulsão em relação a uma mulher não é tarefa fácil, como evoca Ovídio: “Não posso viver sem ti, nem contigo”. Entretanto, não é uma missão impossível. O enlace do amor ao desejo mediante a pulsão é obra do encontro, visto que esses elementos, reunidos ou disjuntos, mesclados ou puros, transitórios ou duradouros, se amarram segundo a loucura de cada um.


In:  Mulheres de Hoje - Figuras do Feminino no Discurso Analítico
  Org. Marcela Antelo

quarta-feira, fevereiro 13, 2019

O FEMININO E A ARTE - PRIMEIRO SEMESTRE 2019





l'abandon - Camille Claudel




QUERO UMA VERDADE INVENTADA
MEMÓRIAS, LINGUAGENS E ESCRITAS



Dia: Segundas Feiras
Horário: Das 15H00 às 17H00
Local: USINADIZER - Rua Rio Branco, 533 - sala 301 - Centro - Florianópolis
Início: 11 de Março de 2019

Valores: Inscrição Mensal - R$ 100,00  
              Inscrição por encontro - R$ 50,00


Bem vindos a Usina Dizer, o novo espaço de encontro do Grupo Arte, Filosofia e Psicanálise.  Nesse novo endereço, continuaremos lendo, discutindo e questionando as relações entre a arte, a filosofia e a psicanálise. 

No primeiro semestre de 2019, nossa proposta de trabalho estará focada no território, insólito e invulgar, das relações entre o Feminino e a Arte. Para tanto, faz-se necessário, primeiramente, levantar questões que imprimam movimento no desejo de saber. Pois, sem a instituição de um desejo, nós, sujeitos de desejo, não arriscamos a nos lançar ao trabalho. 

Nosso primeiro movimento é convocar a cada um dos participantes a articular suas próprias questões. Mais além, em nome dessa instância chamada de grupo, colocamos algumas questões - que aqui, se configuram como objetos -  destinadas a corporificar a materialidade dos significantes desse campo de pesquisa:
    • As figuras femininas - esses seres de papel, de celulose, de tinta - ainda são heroínas românticas, sempre prontas a ser o desejo do desejo de seu herói? 
    • As personagens femininas que transgridem as interdições do código moral no plano da sexualidade, realizam uma ruptura na imagem idealizada do feminino patriarcal?
    • Podemos ousar discutir, questionar ou perseguir uma linguagem/dicção feminina, no campo da criação artística? 
    • Quando falamos em Feminino estamos falando de Feminilidade?
Com estas quatro questões, atrevemo-nos a abrir o trabalho deste ano.
Bem Vindos!


PROGRAMA:

Março
11/03/2019 - Questões sobre arte e feminilidade - Coordenação Maria Holthausen
18/03/2019 - Vivências do feminino na arte plástica - Coordenação  Ligia Czesnat
25/03/2019 - Figuras feminina no cinema - Coordenação Christiane Grahl Luz

Abril
08/04/2019 - Questões sobre arte e feminilidade - Coordenação Maria Holthausen
15/04/2019 - Vivências do feminino na arte plástica - Coordenação  Ligia Czesnat
22/04/2018 - Figuras feminina no cinema - Coordenação Christiane Grahl Luz
29/04/2019 - O grão da Voz e da Escrita- Coordenação Maria Holthausen

Maio
06/05/2019 - Questões sobre arte e feminilidade - Coordenação Maria Holthausen
13/05/2019 - Vivências do feminino na arte plástica - Coordenação  Ligia Czesnat
20/05/2019 - Figuras feminina no cinema - Coordenação Christiane Grahl Luz
27/05/2019 - O grão da Voz e da Escrita - Coordenação Maria Holthausen

Julho
03/06/2019 -  Questões sobre arte e feminilidade - Coordenação Maria Holthausen
10/06/2018 - Vivências do feminino na arte plástica - Coordenação  Ligia Czesnat
17/06/2018 - Figuras feminina no cinema - Coordenação Christiane Grahl Luz
24/06/2018 - O grão da Voz e da Escrita - Coordenação Maria Holthausen

BIBLIOGRAFIA:

ADORNO, Theordor W, Notas de Literatura I, São Paulo, Duas Cidades, Editora 34, 2012
BARTUCCI, Giovanna - Org., Psicanálise, Literatura e Estética de Subjetivação, Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001
_________________________, Psicanálise, Arte e Estética de Subjetivação, Rio de Janeiro: Imago Ed., 2002
BLANCHOT, Maurice, O espaço literário, Rio de Janeiro: Rocco, 2011
BRANCO, Lucia Castello e BRANDÃO, Ruth Silviano, A mulher escrita, Rio de Janeiro: Lamparina, 2004
BRANCO, Lucia Castello e BRANDÃO, Ruth Silviano - Organizadoras,  A força da Letra - Estilo, Escrita, Representação, Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000
BRANCO, Lúcia Castello, Os absolutamentes Sós - Lhansol - A Letra - Lacan, Belo Horizonte:  Autêntica, 2000
FREUD, Sigmund, Arte, Literatura e os Artistas, Obras Incompletas de Sigmund Freud, Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2015.
FOUCAULT, Michel, Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema, Escritos III, Rio de Janeiro: Forens Universitaria, 2001
_________________, A Grande Estrangeira - Sobre Literatura, Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016
HOLCK, Ana Lucia Lutterbach, Patu. Uma mulher abismada, Rio de Janeiro: Subversos, 2008
KEHL, Maria Rita, Deslocamento do Feminino - a mulher freudiana na passagem para a modernidade, São Paulo: Boitempo, 2016
________________, Bovarismo brasileiro, São Paulo: Boitempo, 2018
KRISTEVA, Julia, Histórias de Amor, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988.
_______________, As Novas Doenças da Alma, Rio de Janeiro: Rocco, 2002
KRISTEVA, Julia e CLÉMENT, Catherine, O Feminino e o Sagrado, Rio de Janeiro: Rocco, 2001
KON, Noemi Moritz, A Viagem. - Da Literatura à Psicanálise, São Paulo: Companhia das Letras, 2003
LACAN, Jacques, Seminário - livro 18 - De um discurso que não fosse semblante, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2009
_______________, Seminário - Livro 20 - mais, ainda, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1982 
_______________, Diretrizes para um Congresso sobre a sexualidade feminina, Escritos, Rio de Janeiro, Zahar, 1998
_______________, Homenagem a Marguerite Duras pelo arrebatamento de Lol V. Stein, Outros Escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2003
MANNONI, Maud, Elas não sabem o que dizem - Virginia Wolf, as mulheres e a psicanálise, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1999
MOLINA, José Artur, O que Freud dizia sobre as mulheres, São Paulo: Editora UNESP, 2011.
MORAES, Eliane Robert, O corpo Impossível - A decomposição da figura humana de Lautrémont a Bataille, São Pauli: Ed. Iluminuras, 2002
NERI, Regina, A psicanálise e o feminino: um horizonte da modernidade, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005
PONTALIS, J.B. e  MANGO, Edmundo, Freud e os Escritores, 

RIVERA, Tania, O avesso do Imaginário - Arte Contemporânea e Psicanálise, São Paulo: Cosac Naify, 2013
_____________, Guimarães Rosa e a Psicanálise - Ensaios sobre a Imagem e Escrita, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2005
RIVERA, Tania e Vladimir Safatle - Organizadores, Sobre Arte e Psicanálise, São Paulo, 2006
SOLER, Colette, O que Lacan dizia das Mulheres, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2005
ZIZEK, Slavoj, Lacrimae rerum - ensaios sobre cinema moderno, São Paulo: Boitempo, 2009

VIVÊNCIAS DO FEMININO NAS ARTES PLÁSTICAS:
  • As questões, o material bibliográfico e os convidados que participarão desses encontros,  estarão a cargo de Ligia Czesnat, coordenadora.


FIGURAS FEMININAS NO CINEMA:
  • A escolha dos filmes estarão a cargo de Christiane Grahl Luz, coordenadora desses encontros.

l

LEITURA PARA O CARNAVAL

GRUPO DE LEITURA USINA DIZER Por conta do carnaval, o próximo encontro do Grupo  de Leitura acontecerá  no  dia 02 de...