terça-feira, junho 30, 2009

Pontuações sobre a direção de uma análise:



  1. O analista não dirige o paciente, mas dirige o tratamento.

  1. O analista faz parte do sintoma. Se ele não intervier, não tem análise.


  1. O analista tem que transformar o particular em singular. Ele chega à singularidade quebrando a expectativa do todo.
ΩΩΩΩΩΩΩΩΩΩΩΩ

HILFLÖSIGKEIT - DESAMPARO

ENTRE ANGÚSTIA E DESAMPARO Jacques André* À guisa de introdu ç ão, eu desejaria evocar um artigo de Winnicott publicado em 197...