segunda-feira, novembro 16, 2009



Sempre que se produz um fenômeno em dois tempos, na obsessão por exemplo, o primeiro tempo é a angústia, e o segundo é a culpa, que aplaca a angústia no registro da culpabilidade.


Jacques Lacan
O simbólico, o imaginário e o real


2 comentários:

Vanessa Marsden disse...

Muito bom blog! Estarei a segui-lo e le-lo!
Continuem com o bom trabalho!!

MARIA HOLTHAUSEN disse...

Obrigado Vanessa!
Contamos com a sua interlocução.
Abraços
Maria

Questões da Clínica Contemporânea

Maria Madalena e Édipo complexo: são novas narrativas necessárias na psicanálise contemporânea? Giovanna Bartucci “Há (...