sexta-feira, julho 05, 2013

Sobre o Ensaio






Afinal, o que é o ensaio?

O ensaísmo é tema de uma das mesas e da oficina literária da Flip 2013. Dois dos maiores ensaístas contemporâneos, o britânico Geoff Dyer e o americano John Jeremiah Sullivan se encontram para conversar sobre o gênero no domingo à tarde. O mediador do encontro, o escritor e jornalista Paulo Roberto Pires, é editor da mais importante revista de ensaios do país, a “serrote”, do Instituto Moreira Salles, e será também o responsável pelas aulas da oficina. O elenco da festa reúne ainda alguns outros nomes importantes do ensaísmo contemporâneo, do consagrado italiano Roberto Calasso, aos jovens Francisco Bosco e Lila Azam Zanganeh.

Mas de que se fala, afinal, quando falamos em ensaio? O gênero é, por definição, problemático, pois uma de suas premissas é contestar a distinção entre aparência e essência, que organiza qualquer classificação genérica. Quer dizer: uma das ideias fundamentais do ensaio é que seu autor abra mão de fórmulas padrão de escrita para construir um texto que dê conta da singularidade do seu objeto. Aquilo que o ensaio procura dizer é inseparável de sua maneira de dizê-lo. Por que isso faria do ensaio um gênero problemático? É que a própria ideia de gênero pressupõe a identificação de regularidades por detrás das diferenças aparentes – na classificação genérica, as diferenças entre os indivíduos ou espécies são reconduzidas a uma identidade geral. Desse ponto de vista, a diversidade aparente é reunida sob o guarda-chuva de uma essência comum. É exatamente o interesse pela diferença, porém, que define o ensaio e o distingue do pensamento acadêmico. Em vez do conceito geral, que descreve vários casos particulares, o ensaio procura uma expressão única capaz de dizer o seu objeto naquilo que ele tem de mais próprio. Ao fazer isso, ele rejeita a separação entre forma e conteúdo e propõe outra forma de pensar e compreender a própria noção de gênero.

Dois textos publicados recentemente pela imprensa estrangeira ajudam a pensar as manifestações contemporâneos do ensaio, particularmente nos EUA. Ambos reconhecem a dificuldade de definição intrínseca ao gênero, mas procuram construir uma caracterização histórica de seu desenvolvimento que permita pensar o que há de específico naquilo que entendemos hoje por ensaísmo. O mais interessante nos dois textos é o olhar crítico que lançam sobre uma certa voga atual do ensaio, identificando uma certa diluição de seu potencial de pensamento e uma deriva em direção a uma escrita autobiográfica que tende a não se comprometer com nenhum ponto de vista, ou a simplesmente transformar o autor em persona humorística. Como terceira indicação de leitura, como as duas primeiras também em inglês, vale tirar um tempo para acompanhar o raciocínio tipicamente tortuoso, mas fascinante, do filósofo alemão Theodor W. Adorno em seu clássico “O ensaio como forma”.

By: Miguel Conde

Nenhum comentário:

CURSO DE PSICANÁLISE

                                                  MUDANÇA DE SALA:   O Curso será realizado na sala 505 do EFI - Espaço Físico I...